domingo, 30 de janeiro de 2011

DESENHOS INFANTIS

O TIPO DE TRAÇO E OS TEMAS DOS DESENHOS REVELAM EMOÇÕES E CARACTERISTICAS DAS CRIANÇAS.
A criança quando quer expressar alguma preocupação ou sentimento, acaba desenhando.Assim os desenhos infantis são verdadeiros espelhos do mundo emocional da criança.Coisas como a força que ela imprime ao traçado e os temas que escolhe fornece inumeras pistas sobre os interesses, a personalidade, os medos e os desejos mais profundos dela.E é importante você saber reconhecer e decifrar estas pistas para compreender melhor a criança.
Os códicos:Desde o momento em que faz os primeiros rabiscos, por volta dos 2 anos, a criança percebe que aquela garatuja podem representar coisas.Agora entre os 6 e 7 anos, os desenhos tem uma aparencia mais próxima do real e refletem um estado de espírito.
Se algumas das características abaixo se repetir com frequência nos dedesenhos das crianças, pode ser o caso de buscar a opinião de um especialista.
TRAÇADO PESADO - É quando a criança força demais o lápis contra o papel. Pode ser sinal de agressividade e impulsividade excessivas.
TELHADOS GRANDES - indica uma excelente capacidade de imaginação.
ELEMENTOS ESTÁTICOS - Se todos os desenhos da criança mostram apenas objetos soltos, sem movimento nem relação entre si, há risco de ela vir a ter problemas de redação.
DESENHOS PEQUENOS - Crianças muito inibidas tendem a fazer desenhos extremamente pequenos, que ficam espremidos num canto do papel.Pode ser um alerta de que os pais ou a escola estão exigindo demais dela.
DESENHOS GANDES - Aqueles desenhos que avançam para as margens expressam a vontade de ocupar todos os espaços e de estar presentes em tudo.Demonstram dificuldade de aceitar limites e impulsividade excessiva.
RABISCOS E AJUNTAMENTOS - Caso a criança rabisque demais em volta do desenho ou amontoe vários elementos no papel, é sinal que se sentem angustiada.
PESSOAS SEM EXPRESSÃO - Se as figuras humanas aparecem sempre de costas, sem olhos ou sem bocas, é indicio de que a criança tem medo de se relacionar com outras pessoas e de encarar a realidade.É como se ela se rerecusasse a ouvir, ver e estabelecer contato com o meio.
REPETIÇÃO DE TEMAS - Quando a criança reproduz sempre a mesma situação, fique atenta, pode ser que se sinta oprimido.Já o excesso de cenas de morte ou de destruição revela medo.Mas atenção: nessa faixa de idade, a repetição de desenhos de casa,pessoas e de árvore não sinaliza nenhum problema.
CORPOS EM DESPROPORÇÃO - Ao fazer uma figura humana, a criança pode desenha-la com alguma parte muito realçada.É sinal apenas de que a função associada àquela parte do corpo é a que está despertando maior atenção da criança naquele momento.Crianças falante ou gulosas, por exemplo, costumam desenhar bocas enormes.As desconfiadas fazem olhos muito grande.E aquelas de pavio curto desenham mãos imensas.
AGESSIVIDADE - Desde que não seja uma constante, desenhar cenas de viviolência é apenas uma forma de a criança descarregar a tensão acumulada.
Raramente, a criança desenha para si.Em geral, mal termina uma obra de arte, corre para mostrá-la.Essa atitude prova que o desenho é uma tentativa de comunicação, que você deve encorajar ao máximo:
  • Converse sobre o desenho, comente detalhes e estimule-o a traduzir as imagens em palavras.
  • Incentive o desenho livre.Ele é mais importante para desenvolver a capacidade de expressão do que apenas colorir figuras ja prontas.
  • Crie jogos envolvendo toda a sala. Uma dica é cada um sugerir um tema por vez, e todos desenham.Outra atividade, cada um desenha parte de uma cena ou objetos
  • Realce sempre a criatividade dos desenhos e nunca exija "obras" com uma estética perfeita.Muitos pintores famosos ja fizeram da desproporção, da falta de simetria e da ausência de perspectiva geométrica e segredo de sua arte.
Revista Crescer, pg.90 e 9l - Miriam D.Vargas da Silva - psicanalista e professora da PUC, de São Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário