segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

GINÁSTICA HISTORIADA - HISTÓRIA DO BONECO DE BORRACHA

     Era uma vez um boneco de borracha que ficava de todos os jeitos com o corpo, mas não falava, não fazia barulho e mexia-se bem devagar.
     Ele gostava de passear no jardim, olhando as flores coloridas, os pássaros, as borboletas e as abelhas que voavam no alto.
     De repente, veio um vento forte...Nossa! O boneco de borracha ficou torto e agora ele anda todo torto, virado só para um lado. E assim ele continuou o passeio.
     Ufá! O vento parou, e ele então voltou ao normal.Agora conseguia andar tanto para frente como para trás.
   caber numa caixa de sapato.Bem pequeno mesmo!   O vento voltou de novo.Aí, ele entortou-se para frente e anda olhando para baixo.Parece até que procura alguma coisa no chão.
     Mas, de repente, o vento mudou de direção e fez o boneco entortar-se para trás.Agora ele só vê o que está lá no alto: o céu, os pássaros e as borboletas.
     Finalmente,o vento parou de vez.O boneco de borracha endireitou-se e continuou o passeio observando tudo o que estava ao seu redor.
     Engraçado é que quando o boneco de borracha chagava perto de uma árvore ficava bem magrinho e bem comprido, do tamanho da árvore.Então, o boneco andava elegante, esticado e comprido, quase alcançava o céu.
     Quando chegava perto de uma roseira e sentia o cheiro das rosas, o boneco ficava todo gordo e pesado como um elefantinho.Para andar, até fazia um barulhão!
     Ah! o boneco de borracha estava cansado de tanto passear.Então, ele deitou-se no chão para descansar e...surpresa!Ele ficou pequenininho, encolhidinho.Podia até  caber numa caixa de sapato.Bem pequeno mesmo!
     De repente, cescia, espalhava-se para todos os lados, crescia, crescia e crescia.Crescia tanto que ocupava um grande espaço no chão.
     Ficava pequeno de novo, pequeno, pequeno, bem pequeno.E adormecia todo pequeneninho...
     Até que amanheceu e chegou o sol. O boneco de borracha, que estava quietinho, foi se mexendo devagar, esticando-se para todos os lados, esticando os pés as pernas, o tronco, os dedos, as mãos e os braços.
     Ele levantou-se e virou gente.
     Agora, sim, ele consegue conversar, falar bem baixinho com quem está perto dele.
     Essa é a história do boneco de borracha que virou gente.
     Autor desconhecido. 

SUGESTÕES DE INTERVENÇÃO DO PROFESSOR

  • Deixar que a criança escreva para depois intervir
  • Pedir que a criança leia o que escreveu
  • Ao ouvir da criança que não sabe escrever, dizer para escrever do melho jeito que sabe e não que escreva do seu jeito
  • Propor escrita em dupla, de preferência com letra móvel, cada um coloca uma letra e lê o que ja escreveu para que o outro coloque a proxima letra
  • Agrupa-las com criança que estejam num nível mais avançado(proximo)
O que fazer com um aluno pré silábico que ao ler o que escreveu, só consegue soletrar as letras?
  • Perguntar o que a criança queria escrever e pedir que leia novamente
  • Lembrando-a do que queria escrever, você informa que a escrita representa a fala
  • Se a criança persistir você pode informar que esse é o nome das letras e/ou pedir que pegue seu catão de chamada e leia seu nome.Isso a ajudará perceber que as letras servem para escrever e que para ler não falamos os nomes delas.
Qual a melhor forma de auxiliar a criança a evoluir do nível pré-silábico quando ele tem dificuldade em acompanhar o processo de escrita ou não se interessa?
  • Propor escritas individuais e que sejam significativas para elas.
  • Usar letra móvel e jogos de escrita: forca, quebra-cabeça.
  • Elogiar muito suas conquistas
  • Propor papéis de destaque para ele e trabalhar sua auto-estima
  • Agrupa-la com crianças que ela tenha afinidade e que esteja num nível mais avançado, noutro momento agrupa-la com crianças do mesmo nível ou inferior, onde as crianças precisem do conhecimento dela.
  • Trabalhar a escrita de forma contextualizada, ajudando a criança a perceber a função da escrita, através das regras dos jogos, leitura e escrita de bilhetes, cata, receita...
Quais as melhores intervenções para levar o pré-silábico e o silábico sem valor sonoro a avançarem em suas hipóteses?
  • Deixar que a criança escreva e questionar sua escrita, levando a interpretar o que escreveu
  • Trabalhar com textos memorizaveis
  • Trabalho individual com letra móvel e propor dupla de trabalho com criança mais avançada
  • Pré-silábico - pedir que leia, perguntar onde está escrito cada parte.Questionar a sobra de letras
  • Para os silábicos sem valor - perguntar se a letra que usou é "boa" para escrever o que queria.
Como fazer o aluno avançar quando é silábico com valor sonoro e por mais que se esforce não percebe que faltam algumas letras?
  • Explorar a leitura de palavras nas listagens, nos textos memorizados, nos cartões de chamada...buscando relacionar o oral ao escrito
  • Popiciar situações de escrita em dupla com crianças do nível silábico alfabético
  • Questionar sua escrita, no sentido de leva-lo a perceber se uma leta é suficiente para escrever a sílaba e ajudando a buscar referência na sala
  • Ofeecer as letras que compõe a palavra e pedir que escreva, utilizando-as,sem deixar sobras
  • Buscar recurso no quebra-cabeça de nomes separado por sílabas
  • Completar palavas dentro de um contexto, utilizando lacunas com vogais ou consoantes, dependendo da dificuldade da criança.
O que fazer com uma criança que só copia da outra e ao escrever sozinha não faz nada, é insegura.
  • Valorizar as coisas que a criança faz bem, independente de estar relacionado a escrita, aumentando desta forma a auto-estima dela
  • Trabalhar com essa criança no individual, incentivando-a e mostrando que ela é capaz
  • Não fazer intervenção nas suas primeiras tentativas, até que ela se sinta mais segura de sua hipotese
  • Pedir que a criança escreva com letras móveis e depois copie
  • Fazer com que perceba que pode procurar apoio nos suportes existentes na sala e ajuda-la
  • Coloca-la num grupo/dupla de crianças que sabe menos e que não sejem lideres
Quando a criança escreve o nome espelhado, mesmo tendo o crachá como suporte e a intervenção do professor, o que fazer para a criança observar a diferença?
  • Insistir na intervenção, até que a criança amadureça sua percepção e escreva corretamente
  • Pedir que a criança compare o que escreveu com o seu cartão de chamada, fazer a correspondência um a um, chamando a atenção para as letras e a direção em que se escreve e lê
  • Observar qual a mão que a criança usa com mais facilidade, se perceber que não está definida a lateralidade, pedir que a criança escreva com a outra mão e observar
  • Ler o que esta escrito e explicar que se estiver do lado contrário não dá para ler ou se lê outra coisa
  • Escever o nome junto com a criança orientando a lateralidade a cada letra
Com relação à escrita, além das atividades planejadas, que ações do professor contribuem acompanhar melhor o desenvolvimento dos alunos? Seus avanços e dificuldade?
  • Observar diariamente as atividades realizadas individualmente ou em duplas/grupos
  • Propor escrita diagnóstica regularmente ou guardar atividades realizadas individualmente, nas quais você observou a realização
  • Atendimento individual, durante a realização do trabalho diversificado

domingo, 30 de janeiro de 2011

DESENHOS INFANTIS

O TIPO DE TRAÇO E OS TEMAS DOS DESENHOS REVELAM EMOÇÕES E CARACTERISTICAS DAS CRIANÇAS.
A criança quando quer expressar alguma preocupação ou sentimento, acaba desenhando.Assim os desenhos infantis são verdadeiros espelhos do mundo emocional da criança.Coisas como a força que ela imprime ao traçado e os temas que escolhe fornece inumeras pistas sobre os interesses, a personalidade, os medos e os desejos mais profundos dela.E é importante você saber reconhecer e decifrar estas pistas para compreender melhor a criança.
Os códicos:Desde o momento em que faz os primeiros rabiscos, por volta dos 2 anos, a criança percebe que aquela garatuja podem representar coisas.Agora entre os 6 e 7 anos, os desenhos tem uma aparencia mais próxima do real e refletem um estado de espírito.
Se algumas das características abaixo se repetir com frequência nos dedesenhos das crianças, pode ser o caso de buscar a opinião de um especialista.
TRAÇADO PESADO - É quando a criança força demais o lápis contra o papel. Pode ser sinal de agressividade e impulsividade excessivas.
TELHADOS GRANDES - indica uma excelente capacidade de imaginação.
ELEMENTOS ESTÁTICOS - Se todos os desenhos da criança mostram apenas objetos soltos, sem movimento nem relação entre si, há risco de ela vir a ter problemas de redação.
DESENHOS PEQUENOS - Crianças muito inibidas tendem a fazer desenhos extremamente pequenos, que ficam espremidos num canto do papel.Pode ser um alerta de que os pais ou a escola estão exigindo demais dela.
DESENHOS GANDES - Aqueles desenhos que avançam para as margens expressam a vontade de ocupar todos os espaços e de estar presentes em tudo.Demonstram dificuldade de aceitar limites e impulsividade excessiva.
RABISCOS E AJUNTAMENTOS - Caso a criança rabisque demais em volta do desenho ou amontoe vários elementos no papel, é sinal que se sentem angustiada.
PESSOAS SEM EXPRESSÃO - Se as figuras humanas aparecem sempre de costas, sem olhos ou sem bocas, é indicio de que a criança tem medo de se relacionar com outras pessoas e de encarar a realidade.É como se ela se rerecusasse a ouvir, ver e estabelecer contato com o meio.
REPETIÇÃO DE TEMAS - Quando a criança reproduz sempre a mesma situação, fique atenta, pode ser que se sinta oprimido.Já o excesso de cenas de morte ou de destruição revela medo.Mas atenção: nessa faixa de idade, a repetição de desenhos de casa,pessoas e de árvore não sinaliza nenhum problema.
CORPOS EM DESPROPORÇÃO - Ao fazer uma figura humana, a criança pode desenha-la com alguma parte muito realçada.É sinal apenas de que a função associada àquela parte do corpo é a que está despertando maior atenção da criança naquele momento.Crianças falante ou gulosas, por exemplo, costumam desenhar bocas enormes.As desconfiadas fazem olhos muito grande.E aquelas de pavio curto desenham mãos imensas.
AGESSIVIDADE - Desde que não seja uma constante, desenhar cenas de viviolência é apenas uma forma de a criança descarregar a tensão acumulada.
Raramente, a criança desenha para si.Em geral, mal termina uma obra de arte, corre para mostrá-la.Essa atitude prova que o desenho é uma tentativa de comunicação, que você deve encorajar ao máximo:
  • Converse sobre o desenho, comente detalhes e estimule-o a traduzir as imagens em palavras.
  • Incentive o desenho livre.Ele é mais importante para desenvolver a capacidade de expressão do que apenas colorir figuras ja prontas.
  • Crie jogos envolvendo toda a sala. Uma dica é cada um sugerir um tema por vez, e todos desenham.Outra atividade, cada um desenha parte de uma cena ou objetos
  • Realce sempre a criatividade dos desenhos e nunca exija "obras" com uma estética perfeita.Muitos pintores famosos ja fizeram da desproporção, da falta de simetria e da ausência de perspectiva geométrica e segredo de sua arte.
Revista Crescer, pg.90 e 9l - Miriam D.Vargas da Silva - psicanalista e professora da PUC, de São Paulo

TEXTO - DICAS PARA OS PAIS NO INICIO DO ANO LETIVO

PARA OS PAIS:
  • Explicar à criança que há um lugar chamado escola. A esse lugar vamos aprender, brincar e encontrar outras crianças e dultos.
  • Dizer-lhe que na escola vamos com uma roupa diferente daquela que usamos no dia-a-dia ou para passear.Esta informação deixa claro que o uniforme é a roupa adequada para se ir àquele local de aprender e brincar.
  • Falar sobre a escola com os outros adultos, na frente da criança, apenas quando se tratar de aspecto positivo. Em caso de críticas, mesmo que formuladas com muita razão, é bom reservá-las para outro momento, longe da criança.
  • Nunca mentir para a criança, dizendo-lhe que não a levará para a escola quando a estiver levando. Mesmo diante de seu choro, mais benéfico para ela será saber que os pais lhe disseram a verdade.
  • Não se atrasar para buscá-los, após as aulas.Quando os pequenos percebem que os pais dos colegas estão chegando, a ansiedade costuma aumentar. Minutos significam horas para uma criança.
  • Lembrar sempre que o choro faz parte desse processo.Se os pais cedem, a adaptação pode ficar mais difícil, estendendo-se por um tempo mais longo.
  • Perguntar tudo o que quiser para a professora ou a coordenadora para que ela possa tirar todas as suas dúvidas.Se preciso for agendar uma conversa mais demorada. Levar os pontos por escrito, não se esquecer de nada que queira ou precise saber.
  • Entegar a criança ao responsável por ela na escola e sair confiante de que ela ficará bem.
  • Perguntar a professora se poderá telefonar no meio do turno para saber notícia.
  • Não introduzir mais novidade na vida da criança nesse período.Nada de mudar babá ou outras mudanças.Já basta a escola. Daqui a pouco, já adaptada, ela suportará outras mudanças
  • Observar a fisionomia da criança quando ela chegar perto dos colegas, da professora, do ambiente escolar. Ela pode ficar emburradinha com a professora, mas se desmanchar quando vir um coleguinha. O importante é perceber onde estão os sinais de prazer, mesmo que apareçam camuflados.
  • É importante também entregar a criança à professora. Não esperar que ela retire seu filho dos seus braços.Pode até parecer a mesma coisa, mas não é. O filho confia nos atos dos pais. Quando percebe que eles o entregaram a alguém de forma tranquila, alguém que depois lhes devolverá o tesouro, a tendência é também ficar tranquilo.     

TEXTOS PARA REFLEXÃO EM REUNIÕES

PRECE DA CRIANÇA
Deus eu preciso falar com você.Tenho coisas lindas para agradecer e coisas boas para pedir.
Obrigado pela vida, pelo papai e mamãe. Obrigado pelos meus irmãos, gosto muito deles.
Obrigado pelos amigos e colegas.Obrigado pelos meus professores, eles me ajudam a crescer.
Obrigado pelo pão de cada dia.Deus, obrigado por tanatas coisas boas que nos dá.
Você é muito bom!
Olhe pelas crianças que passam fome, sem escola e sem lar.
Que bom se as pessoas se amassem todo mundo seria feliz!

Autor desconhecido.

PESSOAS SÃO UM PRESENTE

Vamos falar de gente, pessoas. Existe, acaso, algo mais espetacular do que gente? Pessoas são um presente. Alguns têm embrulho bonito, como os presentes de Natal, Páscoa, ou Festa de Aniversário. Outros vêm em embalagens comuns, e há as que ficaram machucadas no correio...
De vez em quando chega uma registrada, são presentes valiosos. Algumas pessoas trazem envólucros fáceis. De outras é dificilimo, quase impossível, tirar a embalagem. É fita durex que não acaba mais. Mas...a embalagem não é o presente. E tantas pessoas se confundem, dando mais valor a embalagem do que ao presente. Por que será que alguns presentes são tão complicados pra gente abrir? Talvez porque dentro da bonita embalagem haja muito pouco valor.
Você também amigo, também amiga, também eu, somos um presente para os outros. Você para mim, eu pra você.
Triste se formos sómente um presente embalagem, muito bem empacotado e quase sem nada la dentro.
Quando existe verdadeiro encontro com alguém, no diálogo, na abertira, na fraternidade, deixamos de ser mera embalagem e passamos à categoria de reais presentes.
Você já experimentou essa imensa alegria de vida?
Conteúdo interno é o segredo para quem quer tornar-se presentes aos irmãos de estrada e não apenas embalagem.
A verdadeira alegria, que a gente sente e não consegue descrever só nasce do verdadeiro enconto com alguém...
É um presente estar com você!

Autor desconhecido.

ENTREVISTANDO DEUS
Deus disse:
- Então, você gostaria de me entrevistar?
- Se o Senhor tiver tempo.
Deus sorriu e disse:
- Meu tempo é a eternidade e é suficiente para qualque coisa, que perguntas tem em mente para me fazer?
_ O que mais O surpreende a respeito dos homens?
Deus respondeu:
- Que eles se chateiam em ser crianças, tem pressa de cresce, e quando crescem desejam ser crianças novamente.Que eles perdem sua saúde para ganhar dinheiro e então gastam o dinheiro para recuperar a saúde. Que por pensarem ansiosamente sobre o futuro, eles esquecem o presente, de modo que não vivem nem o presente e nem o futuro.Que vivem como se nunca fossem morrer e morrem como se não tivessem vivido...
A mão de Deus pegou as minhas e ficamos em silêncio por um instante e então perguntei:
- Como Pai, que lições de vida quer que seus filhos venham a aprender?
Deus respondeu com um sorriso:
- Aprender que eles não podem fazer ninguém amá-los. O que eles podem fazer é permitir que sejam amados. Aprender que o mais valioso não é o que eles têm em suas vidas, mas quem eles têm em suas vidas. Aprender que não é bom se comparar a outros.Todos serão julgados individualmente em seus próprios méritos.Aprender que uma pessoa rica não é a que tem mais, mas a que precisa de menos. Aprender que são necessários poucos segundos para abrir feridas profundas em pessoas que amamos, e pode levar anos para curá-las.Aprender a perdoar, exercitando o perdão.Aprender que há pessoas que o amam sinceramente, mas simplesmente não sabem expressar ou mostrar seus sentimentos.Aprender que o dinheiro compra qualquer coisa, menos o amor e a felicidade.Aprender que duas pessoas podem olhar para a mesma coisa e vê-la completamente diferente.Aprender que nem sempre é suficiente ser perdoado pelos outros, mas perdoar a si mesmo.
Sentei por um tempo, saboreando o momento. Agradeci a Ele pelo tempo despendido e por tudo que Ele me proporcionou.E ele respondeu:
- As pessoas esquecem o que você diz.As pessoas esquecem o que você faz.Mas elas nunca esquecem o que você as fez sentir...
Autor desconhecido.

A ESCOLA QUE A GENTE QUER
A escola que a gente quer é a escola do prazer, aquela que a gente pode ir todos os dias e nunca sentir vontade de ir embora.
Não queremos uma escola que só tenha mesas, cadeiras, quadro-negro e giz, mas sim uma escola de experiências, da boa convivência e da clareza.
Se um dia alguém trouxer um peixe que foi pescado no riacho da nossa casa, ele será nosso objeto de estudo.
Se um dia trouxemos o morador mais antigo da nossa comunidade, ele será objeto de estudo.
Esta é a nossa vida, a nossa realidade, a nossa democracia.
Oh! Que escola maravilhosa, aquela onde nossa professora não é a dona da verdade, mas sim fiel, companheira e cúmplice de todos os bons, dos ruins, dos tristes e dos alegres momentos, a facilitadora da aprendizagem.
O que a gente deseja é aprender tudo ou quase tudo e que um dia possamos dizer com todas as letras.
QUE SAUDADE DA MINHA ESCOLA MARAVILHOSA!

Autor desconhecido.

REFLEXÃO
Pai e filho caminham por uma montanha.De repente, o menino cai, se machuca e grita:
- Aiii!!!
Para sua surpresa, escuta sua voz se repetindo em algum lugar da montanha:
- Aiii!!!
Curioso o menino pergunta:
- Quem é você?
Contrariado grita:
-...Seu covarde!
E escuta como resposta:
-... Seu covarde!
O menino olha para o pai e pergunta, aflito:
- O que é isso?
O pai sorri e fala:
- Meu filho, preste atenção. Então o pai grita em direção à montanha:
- ...Eu admiro você!
A voz responde
-... Eu admiro você!
De novo o homem grita:
-... Você é um campeão!
A voz responde:
-... Você é um campeão!
O menino fica espantado.Não consegue entender nada.
E seu pai explica:
- As pessoas chamam isso de ECO, mas na verdade, isso é VIDA. A VIDA lhe dá de volta tudo o que você DIZ, tudo o que você DESEJA de BEM ou de MAU para os outros.A VIDA lhe devolverá toda BLASFÊMIA, INVEJA, INCOMPREENSÃO, FALTA DE HONESTIDADE que você desejou às pessoas que lhe cercam.Nossa VIDA é simplesmente o REFLEXO de nossas atitudes.
Se você quer mais AMOR, COMPREENSÃO,SUCESSO, HARMONIA, FIDELIDADE, crie mais AMOR, COMPREENSÃO,HARMONIA, no seu coração.
Se agir assim, a VIDA lhe dará FELICIDADE, SUCESSO, AMOR das pessoas que lhe ceram.
Autor desconhecido

















SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA CADA NÍVEL

PRÉ - SILABICO
  • Recontar histórias
  • trabalho com nomes próprio e dos colegas
  • Quebra-cabeça de nomes
  • Brincadeiras de fazer e refazer: jogo de montar, queba-cabeça(com poucas peças)
  • Bingo de letras
  • Emprestimo de livros de história
  • Recortar desenhos que começam ou terminam com o mesmo som
  • Atividade de pseudoletra(brincar de ler poemas, canções, listas, correndo o dedo pela palavra
  • Ligar a figura a sua inicial
  • Completar a letra inicial ou final
  • Escrever as letras vizinhas
  • Pinte a figura que começa com a letra...
  • Ligue as figuras iguais
  • Complete a sequencia de desenho, número, cor, letra...
  • Jogo dos 7 erros (desenho)
  • Jogo da memória
  • Jogo de dado
  • Letas móveis
  • Boliche ( números, letras, nomes)
  • Jogo de Argolas
  • Loto de figuras - Colar 6 figuras em uma cartela, colocar as mesmas figuras dento  de um saquinho e ao sorteá-la pergunta: para que serve? Pedir caracteristicas...
  • Domino de sons iniciais (desenho x palavras)
  • Colar partes de um boneco articulado
  • Construir calendário da semana (dar os dias e ajudá-lo a colocar em ordem)
  • O que é, o que é? Dar figuras e o nome separado para o aluno associar o inicio da palavra com o desenho
  • O que será? Mostrar somente uma parte da figura ( reconhecimento do todo através das partes). 
SILABICO
  • Análise sonora sobre as iniciais das palavras
  • Quebra cabeça do seu nome e dos colegas, separado por sílaba
  • Bingo de letras e nomes
  • Textos com lacunas para preencher - com opções
  • Cruzadinhas ( com banco de palavra)
  • Classificação de palavras com o mesmo número de sílabas ou de letras que iniciem ou terminem com a mesma letra
  • Dominó, bingo, jogo de memória com gravuras e letras ou sílabas iniciais
  • Lista, auto ditado, escrita espontânea
  • Montagem de palavras com alfabeto móvel ( pode ser entregue o número de quadradinhos que será necessário para a palavra e a gravura)
  • Construir conjuntos de nomes com letras ou sílabas iguais (pode ser realizado com escrita ou gravura)
  • Completar palavras com a primeira letra ou silaba ( pode ser usado o alfabeto móvel )
  • Elaboração de pequenos textos coletivos
  • Recontar  histórias
  • Música de memória fatiada em frases
  • Classificação de letras e números
  • Correspondencia de letra e número (quantas letras tem a palavra e quantas vezes abre a boca para pronunciar)
  • Encontrar palavras nos textos através de gravuras (associação de letras iniciais e finais)
  • Sequencia de gravuras para ordenar
  • Ligar a figura ao nome
  • Loto de figura(correspondencia figura-palavra)
SILÁBICO - ALFABETICO
  • Cruzadinha, caça-palavras
  • Jogo de memória, bingo, dominó, jogo da velha, jogo da trilha
  • Produção de texto coletivo
  • Localizar palavras num texto, copiá-las separando suas sílabas num diagrama
  • História sequenciada (faltando começo, meio ou fim)
  • Escrita espontânea
  • Peenchimento de calendário
  • Jogos e atividades variadas com alfabeto móvel e sílabas móveis
ALFABÉTICO
  • Produção de texto coletivo e individual
  • Produção de texto e frases com fichas de palavras
  • Produção de histórias em quadrinho
  • Completar desenhos a partir de um traço
  • Cruzadinhas, caça-palavras, desafios, carta enigmatica
  • Atividade com material dourado
  • Graficos e tabelas.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

TRABALHANDO NOME PRÓPRIO

Atividades com o crachá:

a) fazer uma rodinha com as crianças. Colocar no centro todos os crachás. Pedir às crianças que encontrem os seus crachás.

b) jogo de memória de nomes: distribuir entre os grupos de alunos cartões com os nomes de cada um repetido duas vezes. Cada criança vira dois cartões. Se conseguir acertar, entrega ao seu dono.

c) colocar os crachás sobre a mesa. Cada criança deverá encontrar o seu crachá e voltar ao seu lugar.

d) Confeccionar cartõezinhos com os nomes dos alunos, deixando faltar uma letra. Entregar e pedir para cada aluno descobrir e escrever qual é a letra que falta.

e) O professor entrega os crachás para os alunos. Depois, escreve no quadro uma letra e pergunta quem tem esta letra em seu nome. Continuar com outras letras.

f) Perguntar para os alunos quem tem quatro, cinco, seis, etc. letras no nome. Depois, pedir para separar os crachás que tiverem a mesma quantidade de letras.

g) Colocar os crachás em um varal. Deixar que cada criança pegue o seu.

h) Separar os crachás que começam com a mesma letra.

i) Separar os crachás por ordem alfabética.

j) O professor escolhe o crachá de um aluno e vai dando pistas com as suas características. Exemplo: é loiro, tem olhos azuis, é alto, etc. Depois que os alunos descobrirem quem é, o professor mostrará o crachá.

l) Distribuir entre os alunos os crachás trocados. Cada um deverá procurar o dono do crachá.

m) Quebra-cabeça com nomes e figuras. A criança deverá montá-lo formando a figura e o nome.

n) Cartela do nome: o professor entrega uma cartela com o seu nome. Ele escreverá no quadro uma letra e perguntará: Quem tem estas letra? Marque um X na cartela. O professor irá escrevendo outras letras e os alunos irão marcando na cartela. Vence quem completar a cartela primeiro.

Variação: O professor poderá colocar letras do alfabeto numa sacolinha e vai sorteando as letras.

o) Quero ver quem é esperto: as crianças devem estar assentadas em uma grande roda. O professor, à medida que vai cantando a música com os alunos, vai jogando no centro da roda seis ou sete fichas com nomes deles. Ao final do canto, os alunos cujos nomes estão na ficha deverão se levantar, pegá-las e colocá-las à sua frente, no chão com o nome para cima. O aluno que se distrair e não pegar a ficha pagará uma prenda no final da brincadeira. Feito isso com todas as crianças, o professor poderá propor adivinhações para que os alunos identifiquem os nomes, levantando o crachá.

Exemplo:

• Quem tem o nome com quatro letras?

• Qual é o nome que começa com P?

• Qual é o nome que começa com o pedacinho LA?

• Qual desses nomes é o maior? E o menor?

MÚSICA: quero ver quem é esperto

E na roda vai entrar

Atenção agora aos nomes

Que no centro vou jogar.

(Música: Ciranda Cirandinha)

p) Do meu nome surgem outros nomes: a turma será dividida em grupos de quatro alunos, cada um com seu envelope com o alfabeto móvel. Cada aluno deverá retirar as fichas e armá-las na carteira, formando o seu nome.

q) Dominó falado: Os alunos deverão sentar-se formando uma grande roda. O professor inicia a brincadeira ou escolhe algum aluno para iniciar, apresentando-se aos alunos: “Eu me chamo Cristiano.” O colega seguinte deverá repetir o nome anterior e acrescentar o seu: “Ele se chama Cristiano e eu me chamo Alex”. A brincadeira prossegue desta maneira até que todos os alunos se apresentem.

Brincadeiras

1. Joguinho da caixinha do alfabeto: colocar dentro de uma caixa enfeitada várias fichas com as letras do alfabeto, exceto as letras K, W e Y. Cada criança retira uma letra e diz o nome de uma o uma palavra que comece com essa letra. Se acertar, ganha um ponto. Se errar, paga uma prenda.

2. Sorteando o alfabeto: para essa brincadeira serão necessários os seguintes materiais: ficha quadriculada para cada aluno, um envelope com letras do alfabeto, para cada grupo, lápis preto e de cor. Os alunos se reunirão em grupos com cinco componentes. Cada aluno deverá escrever em sua ficha quadriculada o seu nome, uma letra em cada quadrinho, usando letras maiúsculas. Um dos componentes do grupo deverá sortear a letra do alfabeto móvel contidas no envelope e ler para os colegas. Cada aluno que tiver a letra sorteada deverá colorir o quadrinho com lápis de cor. Será o ganhador aquele que colorir o seu nome todo em primeiro lugar.

3. Futricando o alfabeto: para essa brincadeira serão necessários os seguintes materiais: uma sacola de pano ou plástico e alfabeto móvel. Os alunos deverão estar sentados em círculo, na área livre da escola, ou na sala de aula. A sacola, contendo as fichas do alfabeto, deverá percorrer de mão em mão. Ao sinal da professora (uma palma, um apito), o aluno que estiver com a sacola deverá retirar uma letra e dizer o nome dela.

4.- Boliche: pedir que as crianças tragam de casa garrafas plásticas de refrigerantes e meia de náilon velhas, que serão enroladas para formar a bola. Nas garrafas de plástico, desenhar as letras do alfabeto com fita crepe. As garrafas são dispostas a uma certa distância e as crianças têm de derrubá-las com a bola. Na hora de contar as garrafas caídas, a classe diz o nome das letras derrubadas. Dependendo do grupo, o professor pode pedir que forme palavras começadas com a letra de cada garrafa que caiu ou que ficou de pé.

5. Jogo de argolas: as garrafas podem ser as mesmas do boliche: garrafas plásticas de refrigerantes com as letras do alfabeto desenhadas com fita crepe. A criança aqui, tem de jogar argolas de plástico e encaixá-las nas garrafas. Ao acertar, diz o nome da letra que está na garrafa.

6. Corre-cutia: o professor elabora fichas com os nomes das crianças, forma uma roda e distribui as fichas aleatoriamente. Ao receber a ficha com o nome do amigo, a criança não pode mostrá-la para ninguém. Segue, então, a conhecida brincadeira corre-cutia, mas o lencinho é substituído pela ficha: uma das crianças anda em torno da roda recitando corre-cutia e, ao final, joga a ficha no centro da roda. A criança cujo nome estiver escrito na ficha deve levantar-se e correr atrás da primeira até pegá-la ou até que ela se sente no lugar vazio da roda que é o lugar da Segunda. Se a criança for pega, deverá falar uma palavra que comece com a letra de seu nome.

Jogos de desafio coletivo.

1. Forca

Divida a classe em pequenos grupos e desenhe a forca e o pontilhado da palavra na lousa.(nome de uma criança). Peça para um grupo dizer uma letra. Caso o nome não possua a letra escolhida, passe a vez para o outro grupo. Quando um grupo acerta a letra, tem o direito de fazer mais uma escolha (essa escolha deve se limitar a duas vezes, para dar chance aos outros grupos). A cada erro, uma parte do boneco é desenhada. Caso um grupo já suponha qual é a palavra, antes de completá-la, poderá arriscar. Se errar a palavra, será “enforcado” e sairá do jogo.

2. Adivinhação de nomes

Este jogo é bastante importante para os primeiros agrupamentos, pois propicia o contato entre os alunos que não se conhecem ou se conhecem pouco.

Providencie uma fita crepe e um lápis. Cada participante escreve seu nome em um pedaço da fita e a esconde debaixo do tampo de sua carteira. Todos os alunos se levantam e sentam em círculo no meio da sala. O professor diz um dos nomes dos alunos e escolhe quem vai procurar. A cada nome correto encontrado, ele é escrito na lousa, com participação da classe toda.

Assim, todos os alunos podem fixar os nomes dos colegas da classe.

3. Brincadeira do senta e levanta

Ao reconhecerem as letras do seu nome, os alunos devem sentar e levantar. Por exemplo: “Levantem-se todos os alunos que tenham o nome começado com a letra M... que tenham a letra R no final do nome... que tenham A no nome...”,etc.

4. Jogo das carteiras

Ao sinal de uma música ou apito, cada criança procura sentar-se na carteira onde o professor colocou seu nome.

5. Pescaria

Coloque dento do aquário(caixa) os peixinhos com o nome dos alunos. Cada criança deve pescar um peixinho e, depois de identificá-lo entregá-lo ao dono do nome.